319. Acabou o amendoim

Quando percebeu que untara
Todas as páginas com gordura
e sal dos amendoins, o poeta
— sim, o poeta —
entrou em desespero.

Seus sebentos e salgados versos
tinham tanta sonoridade
quanto o saquinho que acabara de esvaziar.

O sal dos grãos e o sal dos olhos
tornaram suas páginas
um campo de pedras.

Post anterior
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: