241. Fábula, parte V

Parte I * Parte II * Parte III * Parte IV

* * *

V

Mais um período longo de eventos nos quais ele aparecia segurando com destreza magníficos copos. Um dos modelos foi elogiado em um longo editorial no principal jornal do Estado e um telejornal começou a indagar sobre as origens do rapaz.

Foi uma fisgada no coração. Se lhe perguntassem, talvez não saberia mais falar sobre os caminhões tombados na rodovia e dos caminhos de terra da Vila Maquiavel.

Uma batida na porta. O secretário da Casa Civil sem seu luxuoso penico.

— A governadora deseja vê-lo…

Foi rapidamente ao gabinete.

— Sente-se, meu filho. A situação é simples. Você não é mais suporte-mor. A crise nos obrigou a cortar aquele departamento dos copos. Giacomo, para que não sofresse, concretamos os pés dele e o jogamos no mar, com direito a banda marcial e salva de 21 tiros. Acredite, seria pior se o deixássemos por aí, sem saber o que fazer da vida. Chegou a nos agradecer e desejou a você boa sorte.

Uns instantes de silêncio.

— Quanto a você, não será mais suporte-mor e também já apresentou sua carta de demissão de secretário-geral da Juventude.

— “Apresentou”? Apresentei.

— Tomei a liberdade… você sabe que algumas coisas têm de ser rápidas.

— Entendo.

— A partir de hoje, você é o novo secretário da Casa Civil.

— Como? Nunca fui secretário!

Enquanto a governadora o empurrava para fora, completava:

— Basta ler o que aparece, ver o que apetece e assinar o que convier. Três relações básicas. Mande escrevê-las a ouro e pendure-a na sala em um lugar que apenas você poderá vê-las. Vá, meu filho, você já sabe onde fica o gabinete.

— Mas e o ex- secretário, meu tutor?

— O ex-secretário tem assuntos particulares para tratar. Precisa cuidar de sua fazenda de piolhos em Honduras. Coisa fina! Usam os piolhos para fazer cosméticos; ele tem 5 mil crianças infestadas de piolhos. O governo hondurenho deu a área, as crianças e ainda concede isenção fiscal para alguns amigos. É um belo negócio. Até a próxima reunião de gabinete, meu filho… meu caro secretário. Ah, já ia me esquecendo. Você continuará a ter um tutor. Será o secretário do Tesouro.

Anúncios
Post seguinte
Deixe um comentário

1 comentário

  1. 259. Fábula IX « Hepáticas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: