129. Manual: (I) Cidade

A largura das ruas deve ser milimetricamente ajustada para os veículos. As casas devem ter acabamento impecável e tudo deve ser bem arborizado. Gente? Muito pouca e nas calçadas; sempre. Nada de esmoleiros ou flanelinhas. A cidade perfeita deve estar isolada da cidade imperfeita – a outra dimensão e necessariamente oposta – por uma redoma de vidro seletivo. A cidade perfeita deve ser ecologicamente correta e auto-sustentável para não depender da cidade imperfeita; nem que para isso, seja criada a imperfeição controlada por meio da manipulação de idéias. E a cidade imperfeita, de formas e gente imperfeitas, que padeça na sua tortuosidade e nos escombros de ideias sob telhados de fibrocimento.

Anúncios
Post seguinte
Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: