106. Sonhos número 3, 17 e 25

Tudo começou quando eu estava numa biblioteca, há uns cinco anos, quando eu estava com a minha família e alguns amigos fazendo um churrasco. Um churrasco no prédio da Biblioteca Pública do meu bairro. Daí, apareceu-me uma amiga e disse que estava grávida (puxa) de trigêmeos (caramba!) e que eram meus (intercessão da Santíssima Trindade). Findo o episódio, tive de ir fazer uma pesquisa sobre o preço dos botijões de gás; um dos depósitos que visitei era numa rua do Carrão na qual passei parte da minha adolescência. O depósito em si era numa casa cujo terreno era abaixo do nível da rua. Junto à grade, uma caneta amarrada (como nas lotéricas) para que as pessoas pudessem tomar nota dos preços. De dentro do depósito veio um cachorro horroroso, parecido com uma hiena e se pôs a bradar furiosamente por detrás da grade. Assustei-me. Havia duas pessoas comigo, funcionários de algum tipo de agência federal de energia nuclear e que, a certa altura, disseram-me para largar aquilo que íamos almoçar no restaurante da repartição. Qual não foi o meu estranhamento quando descobri que o restaurante era um anexo sobre a estação Artur Alvim do metrô. Do lado da bilheteria havia uma escada e, na ponta da escada, uma funcionária controlava a entrada das pessoas; era necessária a apresentação do crachá. Meus acompanhantes tinham esses crachás pendurados no pescoço e pareciam mais velhos cartões de biblioteca em cartolina verde.

Eu estava um pouco aflito, pois sempre tive receio de infringir as regras e, pior, ser pego na infração. Não deu outra: a mulher da escada barrou-me e tive de descer a rampa da estação, desconsolado e ofendido.

Resolvi procurar outro lugar para comer e essa caminhada me levou até um prado – onde? – que eu sabia que era para os lados de Mogi das Cruzes. Saio da trilha e embrenho-me no mato; encontro uma construção de madeira, como os estereotipados banheiros de acampamento, só que ligeiramente maior. Observo que está trancada, porém, assim que todo o cadeado corroído, ele se solta. A curiosidade me impele a abrir a porta: há uma escada de pedra, devidamente iluminada. Desço e a umidade do ar torna-se patente. A escada termina e transforma-se num longo corredor, o qual percorro não sem certo receio. O corredor termina num grande domo subterrâneo, no qual há máquinas e quatro gigantescos tubos transparentes, do tamanho do túnel do metrô que corta o espaço, surgindo e enterrando-se novamente na rocha. Alguém se aprcebe da minha presença: são operários, mas têm algo diferente, a pele excessivamente amarela. Em vez de me enxotar, recebe-me afavelmente e explica que fazia muito tempo que ninguém entrava ali. Uma multidão daqueles homens amarelos controlava máquinas que eram ligadas aos tubos imensos. O homem que me recebeu explicou-me o que eles faziam ali: davam movimento ao planeta; essa estória da rotação da Terra não era natural e sim artificial e eles eram os responsáveis por manter aquele movimento. Por dentro dos tubos, que descobri estarem cheios de líquido (mas não era água), passavam gigantescos animais que pareciam saídos de um bestiário medieval: com aspecto de batráquios, mas eram pisciformes. Eram eles que, rodando em alta rotação por aquele líquido densíssimo preso nos tubos cravados nas rochas e que circundavam todo o planeta, faziam com que o planeta girasse, criando o dia e a noite.

Enquanto meu solícito guia me explicava como os animais eram alimentadas em imensas câmaras bariátricas, soou um alarme: um dos gigantescos peixes entalara no tubo e começou a prejudicar a rotação. Se o tubo não fosse desobstruído, o dia ficaria um quarto menor. Só havia um jeito de desobstruir o túnel e eles precisavam de uma espécie de inseto (?), mas não era qualquer inseto. Assustado, ofereci-me como voluntário. Nem era tão longe, havia de ir buscá-los na Basílica de São Bento. Havia de ir lá e procurar o monge mais barbudo.

Por sorte, todo aquele complexo dispunha de um trem privado subterrâneo que parava em estações iguais às estações de metrô da linha azul, mas os letreiros estavam russo.

Chegado a São Bento, fui atrás do monge mais barbudo que era não um beneditino, mas um pope ortodoxo, com um imenso crucifixo pendurado ao pescoço por uma corrente dourada de aros grossos. Sem dizer palavra, fez sinal para que eu o acompanhasse e me levou à uma cripta sob o piso da Basílica. No meio da Basília havia um cilindro de pedra. “O que é?”; “É o sarcófago do Fernão Dias… não viu a tampa de bronze no piso, lá em cima?”. Curioso que aquela cripta era a cripta da Catedral da Sé, mas estava sob o piso da Basílica de São Bento. No fundo da cripta, num buraco retangular cortado no chão de pedra, reluzia um ataúde de madeira todo entalhado; na verdade, brilhava tenuamente no escuro, como aqueles brinquedos fosforescentes. “Vamos, me ajuda a remover a tampa”, disse o pope. Empurramos e havia ali um cadáver conservado que brilhava, a luz que do corpo emanava banhou toda a cripta que agora parecia a praça maior de uma cidade espanhola.

O cadáver estava todo ajaezado como se fosse um bispo da idade Média, cheio de paramentos, com um ceptro recurvo e uma mitra. Para espanto meu (e não do pope) o cadáver abriu os olhos e lavntou-se como se houvesse acabado de acordar. Estendeu-me uma pequena bolsa de veludo e deitou-se de novo, a luz começou lentamente a ficar mais fraca. O pope sorriu-me fez sinal para que eu abrisse a bolsa. Dentro? Baratas, umas cinco, mas não comuns: seu exoesqueleto era de marfim (puro marfim, segundo o pope) e suas patas eram de ouro (ouro puro qual esse não há!) que raspavam os cascos umas das outras e o saco. O sonho termina aqui.

Anúncios
Deixe um comentário

3 Comentários

  1. jeff

     /  10/03/2010

    Não tenha medo de quebrar regras. Tenha medo de não quebrá-las.

    Responder
  2. Juliana

     /  10/03/2010

    Essa nem Freud explica…

    Responder
  3. BENIGNO DIAS

     /  25/10/2010

    DITAS E DESDITAS

    O recusado pelos olhos tenta os ouvidos.
    A dependência coletiva do efeito legitima a causa.
    A honestidade é uma das raridades que não notabilizam.
    O crime é reserva de marcado dos dominantes.
    O pecado é a chantagem divina dos santarrões.
    Um mal torna-se pior, quando é sucedido por outro maior.
    O possível é nada para quem porfia com o exagero.
    A taxa de suborno varia com o alcance corruptivo.
    Com a oferta que te julgares subornado, esse é o teu preço.
    Pobre tem amigos; rico tem obsediantes.
    O pior anzol vem vestido de isca.
    O sexo é o filho pródigo do desejo.
    Casar é aumentar o alvo detrás do mesmo escudo.
    Todo equilíbrio resulta de um conflito.
    Morrer é o direito do pobre que o rico respeita.
    A paz não corre por falta de patrocinador.
    O respeito é uma provocação astuta.
    O grupo opressor é um oportunista da covardia popular.
    Repreender o franco é construir um falso.
    O fingido tortura-se para atrair piedade.
    O arrogante prefere temer a respeitar.
    Da caridade, até a sua difusão o pregador cobra.
    Do crime condena-se a imperícia.
    O rejeitado contagia para constituir maioria.
    Gentalha é como fezes: fede, mas também aduba.
    Quem discrimina raça, só tem esse raciocínio.
    Quem discrimina cor, só tem essa qualidade.
    Quando as virtudes reagem a uma tentação, também são chamadas de defeitos.
    O gênio é um louco, visto pelos burros.
    Ao gênio a missão de revolucionar; ao burro a condenação de aceitar.
    A gaiola é para o passarinho, o que o padrão é para o livre-pensador.
    A teoria faz do prático, poeta.
    A lei é a luz, o homem é o meio deflator.
    Sugerido o “diabo”, o “deus” nascerá pelo instinto de autodefesa.
    A liberdade de expressão pode ser uma sublimação alternativa à luta sangrenta.
    O mártir é o adubo do seu próprio ideal.
    O líder fica no barco, as suas idéias seguem com as águas da popa.
    O governante eleito pelo ódio é como filho concebido em estupro.
    Ao ídolo basta a habilidade de saber impingir.
    A juventude caracteriza-se pelo desuso da mente.
    A democracia é a ditadura com eufemismo.
    Gratificai o cego; ele vos representa um concorrente a menos.
    Por que as pessoas só tendem a dividir com as demais, as mágoas e os prejuízos?
    Quem quebra tabu para chamar a atenção, deveria nascer com o tabu na cara.
    É na derrota que se aprende a eliminar as conjunturas que não levam à vitória.
    O ateu é o pior dos imbecis. Se “a” quer dizer “sem” e “teu” significa “deus”. –Como é que esse idiota fica digladiando contra algo que não existe? Palavras do céptico!
    Deus é uma das auto-suficiências no homem. Quem induz o homem a buscar Deus fora do seu EU, é porque quer vê-lo debandado de si e, consequentemente, à mercê de pastores.
    Hoje a mídia é a “cabeça” que conduz todas as “trouxas”.
    Deus é essencial, o oxigênio é necessário; mas nem por isso eles vivem-se exibindo.
    Se quiseres aparecer, torna-te invisível. Assim as tuas manifestações despertarão maior curiosidade.
    Quem imita avança o trem; quem inventa avança o trilho.
    A inveja é a distância entre o derrotado e o vitorioso. Lançando suas desgraças sobre o vitorioso, o derrotado pretende fazer dos dois, inquilinos do mesmo inferno.
    Há uma analogia entre o mundo cristão e a relação conjugal: forja-se uma aliança com Jesus (o cônjuge), porém, busca-se satisfação no diabo (o/a amante).
    Se você acredita que está nas conquistas de outrem, o limite do seu alcance, você é um sério candidato a invejoso.
    Pela correlação que fazem os religiosos, Deus é o juiz e o diabo é o Seu delegado. Pois, quem tenta contra Deus, é punido no inferno; a cadeia do diabo. –Ora, quem ataca os nossos inimigos, tende a ser o nosso amigo.
    Quando o dogma começa a correr atrás das tendências, é o desespero do “pastor” por não mais conseguir apascentar seu rebanho.
    Mostrai dosadamente o que tendes para mostrar. Lembrai: um vazio atrai um conteúdo, a dependência estimula a busca.
    O brasileiro é um vadio coletivista, mas, em contraste, é um possuidor egoísta.
    O conselheiro dá tudo, menos a cara para rebater o fiasco do aconselhado.
    O policial é um oprimido que se sente livre pelo poder de também oprimir.
    Para as pessoas engenhosas, as dificuldades são simplesmente antígenos.
    O envaidecimento é um aliado do adversário infiltrado na gente.
    O adulto é a criança que só cresceu em malícia.
    O lógico está para o absoluto assim como o subjetivo está para o relativo.
    O que mais desespera o seu tentador é saber que você é invulnerável.
    Pior que o dano financeiro causado pelo caloteiro, é o espírito de desconfiança mútua que ele prolifera.
    Uma das maiores frustrações de toda criatura é o contraste entre o mundo pretendido e o mundo convivido.
    O maldizente é um infeliz que se alivia igualando os outros a ele.
    Ao censurar quaisquer formas de expressão, o censor está chamando os apreciadores de maria-vai-com-as-outras.
    Leis mais severas no Brasil não agravam a pena, só reajustam a propina.
    Por ser o policial militar: uniformizado, ostensivo, isso deixa o policial civil em permanente crise de identidade, levando-o mesmo a forjar qualquer situação para provar sua “autoridade”. Quer dizer: a auto-afirmação pessoal atenta contra a discrição funcional. Esta regra também vale para os membros do Judiciário em relação aos dos poderes Legislativo e Executivo.
    No capitalismo selvagem, antes de mais nada o dinheiro; o resto a gente compra.
    Religião, futebol, carnaval e demais cultos coletivos são formas de sublimar as diferenças sociais, levando uma falsa sensação de igualdade entre dominantes e dominados, sem que os primeiros cedam algo de concreto para isso.
    A egolatria é o grande efeito colateral da fama. Por contar com o beneplácito dos demais mortais, o famoso acredita ser também poupado pela droga, pelo álcool, pelo perigo…
    Uma das estratégias articuladas pelo poder para calar o crítico, é fazer o idiota pensar que está participando das decisões; através de opiniões e votos que não passam de números.
    Deve haver uma simbiose entre a lei e o seu agente. Uma vez quebrada essa interrelação, a primeira depõe contra a legitimidade do segundo.
    A sociedade funciona como um circuito em série: o mau funcionamento de um elemento compromete a rede inteira.
    Para a psicologia de massa, o comportamento coletivo é catatônico, ou senão, ele é como os marcadores de Garrincha, que, embora já conhecessem o seu drible manjado, ainda assim, deixavam-se enganar.
    Deixe que eles falem. O caluniador chuta bola de isopor! Toma distância, dá o pontapé e quebra o joelho: se não há peso para contrabalancear o exagero.
    Uma das formas do ofensor reconhecer nossas virtudes, é tentar provocar nossa ira, tachando-nos com defeitos diametralmente opostos ao nosso procedimento.
    Se você se sentir desonrado pela infidelidade alheia, o sentimento de vingança poderá levá-lo a cometer um atenta suicida, no qual os seus valores serão o explosivo.
    A álgebra é a matemática da vida:
    1x – 1y = “N” (a definir, a ponderar)
    para x = riqueza + beleza + poder…
    para y = pobreza + feiúra + opressão…
    * A aritmética é a matemática da morte:
    1 – 1 = 0 (o fim, sem barganha, sem recurso).

    Compreender a UNIVERSIDADE SOCIAL é uma EXTENSÃO das FACULDADES HUMANAS.
    Numa sociedade corrompida, a educação tem a torpe função de requintar os já pervertidos.
    Se você acha que o próximo é o maior inimigo, lembre-se: só se atritam mutuamente peças que trabalham engrenadas entre si.
    Os infames acreditam que, apedrejando uma persona famosa, possam promover-se. Eles agem como aqueles que se automutilam para lograr o seguro-acidente.
    Gente?! Boa enquanto explorada, obediente enquanto dependente!
    Contra-senso é os intelectuais se dizerem comunistas, se as suas atividades dependem da liberdade de expressão.
    Contra-senso é os capitalistas repudiarem as ditaduras comunistas, paradoxalmente, reverenciam um deus; supostamente o maior autocrata.
    Como quaisquer blefes, para que ocorra a sugestão, o sugestionando deve desconhecer os limites da fonte de estímulo, ou seja: não lhe deve ser revelado o “fundo da cartola”. Por isso a auto-sugestão é mais difícil: não é fácil enganar a si mesmo.
    O opressor arranca da maioria resignada, o arrogo para perseguir a todos.
    A vida é passageira, enquanto o carro não bate.
    A AIDS pode fazer de um casal coitado, coitado!
    Coerente é aquele que deve ter personalidade redonda, tal como cintel de engenho; para que os burros não se percam no trajeto dele.
    Na polícia, o crime é “patente”.
    A gente não nasce para viver, mas para morrer. A vida é, simplesmente, uma fase pré-agônica prolongada.
    Somos um povo religioso que guarda um dia santo. Mas desconsideramos o dia de Todos os Santos. Claro, a preguiça deve ser curtida às prestações.
    Quanto mais preconceituosa for a pessoa, mais vulnerável ela fica à chantagem moral e ao derrotismo das vibrações contrárias.
    O homossexualismo pode ser uma reação de autodefesa da natureza contra o fenômeno da superpopulação.
    A que equilíbrio pretendem chegar os ecologistas? Se o homem já MATA na cidade, mas, em compensação, DESMATA no campo?!
    O preconceito é um instrumento de autodefesa, que se manifesta todas as vezes que uma comunidade sente os seus valores ou sua unicidade ameaçados.
    À medida que o homem se conscientizar de que é um órfão do sobrenatural, isso deve despertar o senso de solidariedade recíproca.
    Deus sobrevive da impossibilidade de se contraprovar o improvável.
    Sempre que uma categoria se tornou imprescindível à humanidade, a sua primeira investida foi avançar no poder. Em meia à tanta dependência científico-tecnológica, há de se convir que o futuro governo pertencerá aos biônicos.
    Viver no meio ambiente é pagar o dobro pelo aluguel de um imóvel.
    A preguiça de raciocinar e o desprezo pela leitura erudita fazem do indivíduo um convencido das verdades prontas.
    Um dia a polícia respeitará os oprimidos; quando houver um equilíbrio estratégico entre ambos.
    Para muitos policiais, apenas o fato de eles poderem exercer suas perversões impunemente, já paga quaisquer salários.
    Pior que mentir é usar a verdade para enganar.
    No capitalismo, o dinheiro é a contrapartida do esforço estimulado.
    Na sociedade arrogante, o humilde pode ser interpretado como humilhado.
    Condenar o uso de redundância num escrito é desconhecer a etimologia da palavra texto, é confundi-lo com malha, é admitir a existência de sinônimos perfeitos.
    Na sociedade capitalista, todos os valores se incorporam ao dinheiro.
    Todas as leis brasileiras prevêem pena capital sim, senhor! Capital é sinônimo de dinheiro.
    Ora, privatiza-se quase tudo no Brasil; só o crime fica cada vez mais estatizado.
    Pagar mal os professores é uma manobra ardilosa para transferir aos docentes, o descaso pela educação.
    Enquanto comprava só objetos, o dinheiro era bom. Agora que gente virou mercadoria, o dinheiro é ótimo.
    A polícia racista treina tiro a ALVO, na academia, mas para compensar, desfere tiro a PRETO na rua.
    Bandido goza de curta existência: polícia não tolera concorrência.
    Para os órgãos de repressão, manter assassinos nos seus quadros, tem efeito dissuasivo, qual seja: transferir a todos os membros o poder psicológico de atormentar ainda que só com a fama.
    O requinte no manipular e no matar determinam a hierarquização entre os mortais; por isso os Estados Unidos subjugam a humanidade.
    Grande parte de sua energia o homem desperdiça na busca desesperada pela sua auto-afirmação.
    C.E.I = Chantagem para Extorquir o Investigado.
    C.P.I = Certidão de Probidade ao Indiciado.
    A Justiça é cega. Também pudera; ela usa detector de dólares!
    Deve continuar folgada a toga. Pois, se ela fosse “justa”, não seria veste de juiz.
    Uma vara é constituída por centenas de porcos; a Justiça é compostas por muitas varas.
    Quem muito fala, põe sob suspeita a sua capacidade de convencer com as atitudes.
    A lei da sobrevivência é a que revoga as demais.
    O clero é o domador; o povo, o cavalo; o governo, o donatário.
    O grau de burrice da humanidade pode ser medido pelo fanatismo religioso e pelo subalternismo militar.
    A liberdade é um combustível que a uns movimenta e a outros incendeia.
    O inconsciente é uma “caixa preta” a que outrem pode acessar, quando o avião, ou melhor, o homem, cai no psicodélico.
    A bíblia e o tarô são a linguagem conotativa da vida.
    A mentira do emissor acura o sexto sentido do receptor.
    Na sociedade meritocrática, muitos dos que logram um diploma, são bandidos que portam salvo-conduto.
    Um dia as leis no Brasil serão cumpridas: quando elas ganharem o rigor da dieta médica.
    Para muitos médicos, dor em cabelo de mulher bonita tem sua origem no útero.
    Hoje ditador é aquele governante patriota, que resiste em leiloar sua nação à espoliação imperialista.
    Santo de casa não faz milagres. Ninguém se pode auto-realizar. Lógico, nós fomos ensinados a buscar nossos santos no além.
    Se julgar um escrito fosse missão de quem sabe apenas soletrar, todo cachorro seria um crítico literário: au, au, au, au, au, au, au!!!!
    No prazer e na coceira, a busca por sensações crescentes custa a própria pele.
    Um povo oprimido pelo descrédito e pela falta de perspectiva age como um líquido comprimido numa câmara, buscando a todo custo, a saída mais fácil.
    As autoridades são diligentes na identificação do infrator, não para que ele seja legalmente punido, mas porque o mesmo se habilitou em um objeto de extorsão.
    Para muitos, saber que há outrem pior que eles, funciona como um elevador da auto-estima, da autoconfiança.
    Morrer como herói, livra o suicida da execração póstuma.

    * Neste mundo de lendas e mitos, a única verdade absoluta é a morte. Pois, nem mesmo o nascimento é inevitavelmente real, já que ele pode ser abortado. E o que é o abortamento, senão a própria morte?

    Se não puderes transformar o mau – não explores o bom – pois o instinto de autodefesa deste pode troná-lo mau também.

    *Se és seguro de tua honestidade, então, não precisas de quatro paredes!

    *De tanto viver pensando só em “esquemas”, o deputado acabou morrendo de ISQUEMIA cerebral.

    * Era tamanho o ódio entre os dois vizinhos, que nem os seus papagaios se falavam.

    * Crime putativo é aquele cometido entre mulheres do baixo meretrício.

    * É vítima de abuso de autoridade aquele que tolera um governante bêbado!

    *VARA é o coletivo de porcos. A JUSTIÇA é constituída por diversas VARAS.

    *No Brasil, só é APENADO quem rouba galinha, talvez porque a ave tenha PENA.

    *De tão burro que era, usava os rins para fazer CÁLCULOS.

    *Era tão aguada aquela mulher, que todos os seus filhos nasceram sob o signo de aquário.

    *Onde gay não faz sucesso, é porque mulher SUPERABUNDA.

    *Ele era tão desajustado que, de CONTROLADO, só tinha o LEXOTAN que tomava diariamente!

    *No Brasil, os Serviços de INTELIGÊNCIA é exclusividade das Polícias. Eis a razão por que somos um povo tão burro!

    *Bandido goza de curta existência. Polícia não tolera concorrência!

    *O desconforto por aparecer como único enganado, leva o fanático a tentar recrutar mais UM para a sua crença.

    *CEI: Chantagem para Extorquir o Indiciado

    *CPI: Certificado de Probidade ao Inocentado

    *Político só é DECENTE quando DESCE nas pesquisas eleitorais.

    *Qual é pior: os MENSAMALÕES ou os DIZIMÃOS DE GRUDE?!

    *Ser político no Brasil
    É prometer ante a bandeira
    No dia primeiro de abril
    E cumprir trinta de fevereiro

    *Se ACADEMIA é um surto de ACA, que sejam IMORTAIS os desodorantes!

    *Ainda resta uma esperança ao GORDO brasileiro. Basta-lhe acreditar que a sua gordura é a própria esperança; assim ele murchará a cada dia.

    *Logo tu, ó brasileiro, quem critica os meus erros gramaticais! O que é o teu país, senão um erro de português?!

    *Não nos fazemos capitalistas. Somos frutos de uma licitação intra-ovariana, fraudulenta, onde o espermatozóide ideal perde a concorrência para o esperto que nos gera. Bem, mas como o intruso consegue vencer a ovulação? Basta quebrar o sigilo bancário do Sr. Guarda-óvulo, lá está a prova do suborno.

    *O prazer de quem domina um dado conhecimento, não reside necessariamente no poder de construir aquilo que gosta, mas no poder de destruir o que não gosta.

    *Dalgumas pessoas, a sociedade exige uma conduta exemplar. De tal modo que, quando um desses “modelos de comportamento” comete atos “desabonáveis”, é logo rotulado de despersonalizado pelos indivíduos que nele se espelham. Todavia, no fundo mais profundo, cegos e sem personalidade são os rotuladores: desnorteados, pois perderam o guia de suas atitudes. Ou senão: conseguiram um “anjo caído” para justificarem também as suas vicissitudes.

    *COMPENSAÇÃO E DESCOMPENSAÇÃO DOS SENTIDOS. À medida que o animal (incluso o homem) se artificializa, menor é a sua intercomunicação com a natureza.

    *Nem a moto-serra deseja ver uma mata cerrada

    *Democracia e natureza. Quem mais as usufrui, é quem mais as degrada.

    *NATUREZA EM FESTA. Hoje morreu mais UM consumista!

    *O CONSUMISTA é uma praga: ele financia a degradação ambiental.

    *Sem os DIAS, Pinheiro estaria imerso nas TREVAS da ignorância

    *As religiões são entidades autotróficas: elas se nutrem do próprio medo que semeiam.

    *O perigo do populismo reside no fato de o voto dum pobre ignorante ter o mesmo valor do voto de um aquinhoado esclarecido.

    *Cerveja e bala de polícia são legais. Droga e bala de bandido são ilegais. Mas as quatro matam!

    *Todo dominado tem implantado em si um “botão de acionamento” – cuja senha é privativa dos dominadores – esse código de acesso se chama MEDO.

    *A donzela inútil só tem o hímen para engendrar um bom casamento.

    *Estou velho no presente, porque no passado me preocupei muito com o futuro.

    *EXPERIMENTE O PRAZER DE UMA VIDA SEM BEBER

    *EXPERIMENTE A DELÍCIA DE UM VIVER SEM BEBIBA

    *BEBIDA E CIGARRO: DE CADA UM TRAGO, UM ESTRAGO

    *Para tornar-se SÓBRIO, SÓ BRIO basta!

    *Inveja: a poeira da casa em demolição, não incomoda tanto o vizinho quanto a poeira da casa em construção.

    *Se o homem fosse valioso, não confiaria a sua custódia a uma coisa tão imunda, a polícia

    *Se o martírio for um pré-requisito para se chegar à santificação, a polícia brasileira é a maior fábrica de santos do mundo.

    *Nínguém desiste fácil de uma conquista fácil.

    *Nas depravadas telenovelas brasileiras, só a vontade do “contra-regra” prevalece.

    *Todas manifestações feitas a um defunto tem os vivos como endereçadores e destinatários.

    *Procure imitar seu intestino, excretando os rejeitos de sua vida.

    *Às vezes, o conselheiro quer ver acontecer no aconselhado, aquilo que ele acha arriscado para si.

    *O brasileiro é um especialista em fazer uso criminoso de um direito.

    *Neste mundo de lendas e mitos, a única verdade absoluta é a morte. Pois nem mesmo o nascer é inevitavelmente real, já que ele pode ser abortado. E o que é o abortamento, senão a própria morte?

    * Numa sociedade, quando imoralidades e pecados passam a ser tratados como crimes, é porque os indivíduos perderam a capacidade de se autorreprimir.

    Cuidado com os pensamentos negativos: nossas ações são como pêndulos que ressoam conforme nossas vibrações mentais.

    Com o advento da avalanche gay, o homem, enfim, conquista a tão sonhada autossuficiência; além de deixá-lo imune à lei Maria da Penha. Mulher para quê?

    -O MOVIMENTO GAY É UMA IDEOLOGIA ESCATOLÓGICA, CUJO DOGMA É O ÂNUS.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: